Viagem a Hong Kong - Agosto de 2012
A porta do Oriente

 

 

 

 

 

 

Aquando das viagens para a Coreia certos mestres partilharam comigo, por diversas ocasiões, recordações suas de Hong Kong.

Após o contacto com o mestre local de Hapkido KHF, o Mestre Kim, e toda a curiosidade que surgiu do que relatavam os mestres, acabei por ser levado até essa pérola no oriente.

Hong Kong, é nada mais nada menos que a cidade das artes marciais, que durante os anos 70 foi palco de dezenas de filmes, incluindo o filme Hapkido de 1972 com Jackie Chan, Angela Mao, Samo Hung e o nosso mestre amigo Hwang In Shik.

Todos estes chegaram , de facto, a aprender técnicas de Hapkido em Hong Kong com o mestre Jin Pal Kim de modo a aperfeiçoarem as suas aptidões que eram, basicamente, trabalho de ópera chinesa.

Hong Kong é um pequeno território pertencente à China. O seu clima é esmagadoramente diferente do europeu, muito quente e húmido, ao ponto de por vezes se ter dificuldade em manter os olhos abertos para a apreciar. Possui montanhas e praias, campo e cidade com prédios enormes que arranham o céu.



Local obrigatório de visita é o Victoria Peak, um ponto alto de Hong Kong, que é a imagem de abertura do filme Blood Sport cujo protagonista é o actor Jean Claude Van Damme que nos anos 80 marcou toda uma geração de praticantes de artes marciais. Um pequeno funicular através de subidas muito íngremes conduz-nos vagarosamente até ao topo e lá de cima espera-nos uma vista maravilhosa e abrangente de todo o território.

A península de Kowloon é o local onde se filmou grande parte do dito, filme entre labirintos de prédios que nos fazem perder o sentido de orientação.

Seria impensável ir a Hong Kong e a esta região - Kowloon e não visitar a casa do “Rei” das artes marciais - Bruce Lee.A sua casa é, actualmente, um pequeno motel cujo governo infelizmente ainda não foi capaz de chegar a acordo para tornar num museu da sua vida e obra.

Encontram-se ainda neste pedaço do território hóteis enormes de renome e a "Avenue of Stars", uma área de terra ganha sobre o mar, onde se situa uma estátua em sua memória de que faz a delícia de todos os turistas.



Pudemos ainda maravilhar-nos com O Mestre Kim, que é coreano mas vive em Hong Kong há mais de uma década e dirige várias escolas de Hapkido e Taekwondo.A sua qualidade técnica é simplesmente excelente, e o facto de treinar em várias escolas proporcionou-me a oportunidade de treinar com várias turmas em diferentes locais de Hong Kong.

Nas deslocações para os diferentes dojangs pude observar algo que achei bastante interessante: nos jardins públicos, ao ar livre, pequenos grupos de pessoas praticavam Wing Chun, a arte marcial local.

O facto de Hong Kong ser uma ex-colónia inglesa, fazendo com que uma boa parte da população falasse inglês, tornou esta experiência muito agradável, por ser possível comunicar e deslocar-se facilmente aos locais pretendidos.

Houve ainda tempo de visitar os templos em Hong Kong, que eram muito coloridos e onde abundavam as talhas douradas,as figuras míticas dos dragões, as oferendas de fruta e os incensos que queimavam e nos envolviam numa bruma que baralhava os nossos sentidos.

De todo o tempo de treino houve um descanso de três dias que deu para ir conhecer Macau e ver o que ainda resta da presença portuguesa.